PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

quarta-feira, 5 de julho de 2017

TEMPORADA DE VENTOS " COMEÇA" EM ALCANTARAS

APÓS INVERNO NOITES FRIAS E COM FORTES BRISAS COMEÇAM A SER REGISTRADAS
Ventos alísios correm do oceano para o continente ( foto reprodução)
Quem mora na Serra da Meruoca começou a sentir as mudanças na velocidade dos ventos que chegam a esta região. Em julho, onde oficialmente tem início o período de verão no Ceará, as noites apesar de estreladas tem sido bastantes frias em Alcântaras.

Isso ocorre porquê até o mês de outubro as brisas que sopram nessa região costuma ficar mais intensas e serem acompanhadas ao longo do dia por "fortes" rajadas de ventos que em geral ocorrem durante a noite e também pela manhã.De acordo com Bertoni Vasconcelos a chegada dos ventos são comuns nesta época e estão intrinsecamente relacionadas ao eixo de inclinação da terra, que começa a sofrer mudanças em virtude do solstício de verão e da definição das estações do ano.

" Esses ventos são normais, é a inclinação da terra, a mudança de estação, a terra está mudando de inclinação em torno de 23º e nesse movimento de translação são mais frequentes esses ventos, que são os ventos alísios e tem origem nos oceanos, inclusive causam até chuvas como a que chamamos chuva do caju" explica o Geografo.

Ainda segundo Vasconcelos, neste período há menor incidência de sol, o Ceará assim como o Brasil, que situam no Hemisfério Sul estão entrando no período de inverno e terão dias mais curtos " os ventos alísios são mais frequentes no inverno [do hemisfério sul] em nossa região e podem ser chamados de ventos do leste. tendo ainda relação com as massas de ar que sopram sobre o nosso continente. devido a pouca insolação teremos menos evaporação dos oceanos e consequentemente pouca formação e nuvens de chuva"


No Ceará os ventos alísios que correm dos trópicos para o Equador encontram no Estado um corredor de passagem e tem relação com  posicionamento da Zona de Convergência Intertropical do qual atua diretamente sobre o efeito e velocidade das brisas litorâneas.

Post. Francisco Freire

Nenhum comentário: