PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

ALCANTARAS E OS DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO URBANO

 MORADORES TEMEM ENCHENTES EM RIACHO SUPRIMIDO POR CONSTRUÇÕES
Aterro de grota provocaria alagamentos afirmam moradores
Com intensa construção de casas, o Bairro São José é um dos setores do perímetro urbano de Alcântaras quem tem crescido nos últimos anos e que enfrenta problemas  naturais decorrentes do desenvolvimento urbano.
Na última semana, após a Secretaria de Infraestrutura e Obras iniciar a pavimentação em pedra tosca de um pequeno trecho em aclive, além do vazamento em uma rede de tubulação de água um outro problema gerou insatisfação entre moradores da Rua Joaquim de Carvalho.

Na via que ganhou acesso até a unir-se com a CE 241, a drenagem das águas fluviais tem sido alvo de estudos e de intervenção do poder público com vistas a evitar o alagamento de casas que foram construídas às margens do leito de um antigo riacho, hoje seco. Os prédios erguidos próximos a uma área ingrime e com registros de enchentes no passado, devem agora contar com sistema de drenagem da água das chuvas uma vez as obras foram realizadas sem prevê o escoamento das chuvas que no passado invadiram algumas residências.
Em contato com nossa redação moradores da referida rua pediram que uma 'lombada' no calçamento de cerca de 30cm fosse rebaixada em favor do nivelamento das casas hoje com piso inferior do nível da rua. Procurada a Secretaria de Obras informou que  obras estão sendo executadas dentro das projeções de viabilidade técnica para solucionar o problema, e que a correnteza da água será canalizada para mais longe das casas que não só contarão com o boeiro construído, informou Ronaldo Barros.
No mesmo bairro, em virtude da construção de casas sem observância ao recuo a rodovia estadual, o Portal Jovem há dois anos reproduziu matéria evidenciando a problemática de suprimento do riacho que hoje provoca vexame em moradores durante chuvas e invernos rigorosos e que também foi alvo de discussão pelo COMDEMA no ano passado.

Post.Francisco Freire

Nenhum comentário: