PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

domingo, 6 de novembro de 2016

NA BOCA DO POVO

  O BRASIL SOFRE CEGUEIRA IDEOLÓGICA OU DE MIOPIA POLÍTICA?
Quando se fala em futebol, política e religião visualizo estes três temas como focos de uma discussão do qual na maioria das vezes muito se debate, se defende e ou pouco se muda quando avaliamos os dois lados da moeda.
É bem verdade que enquanto seres pensantes, até então no Brasil, temos direito ao livre arbítrio e  liberdade de expressão para contestarmos algo que ao nosso ver fogem do que convencionamos como certo. No âmbito da futebol superficialmente falando não vejo grandes diferenças entre time A ou B, considerando que os títulos obtidos nem sempre se referem a qualidade esportiva de um determinado clube que de um hora para outra pode ser o grande campeão em uma disputa ou acabar ficando na lanterna.
No quesito religião, apesar dos muitos conceitos e modelos de evangelização praticados particularmente não vejo igreja X ou Y levar ninguem a salvação, considerando que o homem deve ser o principal norteador de seus atos, cabendo a este seguir o que prega a palavra sem que para isso seja necessário de 'intermediários' para se chegar a Deus, que ao meu ver é um só idepente dos muitos nomes do qual se veicula.
Na política, a discussão do fazer diferente (no cenário atual) soa como uma pegadinha, em um sistema onde se muda as peças do xadrez mas a regra do jogo continua a ser mesma. Em linhas gerais, neste último aspecto antes de defender 1 ou 2, creio eu que seja melhor primeiro defendermo o que nós ( individualmente) pensamos e queremos para o lugar, estado e país onde vivemos, pois enquanto continuarmos a idolatrar candidato fulano ou beltrano e, considerar seus feitos de gestão como um favor ou uma benfeitoria do qual devemos gratidão continuaremos a ter um Brasil onde milhões vão as ruas, se dizem anti-corrupção, se derruba o poder de escolha do povo, seus direitos conquistados e suas lutas e continua se questionar: sofremos de cegueira ideológica ou de miopia política?

Por. Francisco Freire

Nenhum comentário: